Editora Adonis apresenta mais um livro vencedor do Concurso Agostinho de Cultura

A colecionadora de lendas tem lançamento neste domingo no quiosque Adonis, no Parque Ecológico de Americana

Uma garota apaixonada por lendas descobriu que a melhor maneira de colecioná-las era recontando-as, e é dessa maneira que ela as mostra ao leitor. A colecionadora de lendas, livro da carioca Rosane Nicolau, vencedor do Concurso Agostinho de Cultura, é apresentado ao público neste domingo no já tradicional Leitura com Pipoca, no quiosque Adonis, instalado no Parque Ecológico de Americana.

Nas primeiras palavras de A colecionadora de lendas, a narradora já se entrega ao leitor, com quem terá uma relação bem próxima durante toda a história: “Gosto das lendas porque nelas tudo é possível”. Nas 88 páginas do livro, a narradora apresenta, em primeira pessoa, sua coleção de lendas. Elas se passam no Brasil, no Chile, em Portugal, no Japão, na Itália e na Índia. São histórias de amor envolvendo os elementos da natureza. Além de contar, a narradora discute e comenta cada uma dessas lendas.

A colecionadora de lendas é fruto de um trabalho de pesquisa da autora, que tem em comum com sua personagem o fascínio pelas histórias. “Ao contrário dos outros livros que escrevi, este foi precedido de um planejamento e uma pesquisa quanto a sua estrutura e sua narrativa. É um livro de lendas, sim, mas posso afirmar que é bem diferente de todos os livros de lenda que você conhece”, afirma Rosane.

Como diz Severino Antônio, que assina o prefácio da obra, A colecionadora de lendas “contribui para a circulação desses saberes seculares que podem nos ensinar a viver e a conviver de modo mais sensível e mais generoso”. A coleção da personagem inclui a lenda dos diamantes, do Jacu Casamenteiro, da manga, do girassol, das cataratas, do amor-perfeito, do Morro do Pai Inácio, entre outras.

Rosane Nicolau escreveu A colecionadora de lendas entre 2013 e 2014. “A ideia inicial era fazer um livro de duas histórias: uma inspirada na “Princesa Tecelã e o Pastor de Rebanhos” (Japão) e outra em “Um amor de vulcão”, nome que eu mesma inventei do Deserto do Atacama (Chile). Consultando vários livros para saber um pouco mais dessas histórias, observei que as lendas publicadas se repetiam muito. Decidi, então, partir para uma pesquisa mais profunda de lendas que trouxessem um viés poético, quase nunca encontradas em livros publicados no Brasil. A partir daí comecei a construir uma personagem apaixonada por esse tipo de história e que gostasse não só de contá-las, mas também de comentá-las”, explica.

A colecionadora de lendas, segundo livro infantil de Rosane, é vencedor da categoria infantojuvenil do Concurso Agostinho de Cultura e tem capa de Paulo R. Masserani. Em 2015, a escritora publicou, também pela Editora Adonis, por meio do concurso, o livro A princesa e a sombra do duende.

Acontece:
Lançamento A colecionadora de lendas
Dia 17 de setembro, às 10h30, no quiosque Adonis
Av. Brasil, 2525 – Parque Ecológico de Americana

Saiba mais sobre

Só há uma coisa que nos deixa mais felizes do que ajudar um livro a nascer. É fazer com que ele chegue a quem inspira o nosso jeito de ser e de fazer literatura. Desde que seja criança, nada mais importa: pode ser na idade, na alma, no coração... Mas tem que ser, de alguma forma, criança! Porque nossa literatura é movida pela pergunta curiosa que só ela é capaz de fazer. Pela entrega que só ela é capaz de oferecer. E, principalmente, pelo gesto de agradecimento, muitas vezes singelo, feito apenas com um olhar, por permitir que ela também faça parte das nossas histórias. É essa receptividade que nos move. É isso tudo que nos faz ajudar um livro a nascer. Fazemos literatura porque gostamos de fazer parte desse grandioso universo mágico de onde nascem as histórias. E de tudo o que esse mundo nos permite. Tudo! Fazemos livros para quem gosta de histórias e para que, cada vez mais, as crianças (na idade, na alma, no coração...) gostem de ler.

Deixe Seu Comentário